Desigualdade social e ações socioambientais
04/06/2021 19:42
Lorena Teixeira e Luanna Lino

Participantes do segundo dia da XXVII Semana de Meio Ambiente apontam a importância de universidades realizarem iniciativas durante a pandemia

Um dos participantes do segundo dia da XXVII Semana de Meio Ambiente, o presidente da Associação das Universidades Confiadas à Companhia de Jesus na América Latina (AUSJAL), padre Luís Arriaga Valenzuela, S.J., afirmou que a desigualdade social na América Latina tem correlação com injustiças ambientais que afetam a população. Além de comentar a questão das diferenças nas sociedades latino-americanas, padre Arriaga falou sobre as atividades da AUSJAL.

 

Presidente da Associação das Universidades Confiadas à Companhia de Jesus na América Latina (AUSJAL), padre Luís Arriaga Valenzuela, S.J

Segundo ele, as dificuldades das comunidades menos favorecidas são exacerbadas porque essas pessoas são privadas de ter acesso a direitos básicos. Ele ressaltou que a falta de segurança, os salários e serviços de saúde precários, e a necessidade de manter a mobilidade diária para sobreviver também fizeram com que os contatos e mortes dos mais necessitados fossem maiores, por causa de uma  maior vulnerabilidade.

- Eu tive uma conversa recentemente e falamos precisamente sobre essas desigualdades graves, nossas graves iniquidades, muitas delas, desses jovens, dessas crianças sem acesso à internet ou mesmo às aulas on-line. Eles estão vendo seus direitos de receber uma educação de qualidade frustrados. 

O presidente da AUSJAL chamou atenção para o fato de que os reitores da Associação convocaram os ministros da Educação da Argentina, do México e do Peru, com líderes acadêmicos do Equador, Guatemala, Paraguai e Venezuela, para dialogar sobre  a questão dos abandonos escolares provocados pela pandemia e do compromisso de  comprometer-se para gerar ações concretas para enfrentar o problema.

Representante do Observatório de Justiça Socioambiental Luciano Mendes de Almeida (OLMA), o professor Felipe Lacerda disse que o instituto observa e incide politicamente nas grandes questões socioambientais da realidade nacional, além de ser a instituição que mais produziu atividades para o combate da Covid-19 na América Latina.

Representante do Observatório de Justiça Socioambiental Luciano Mendes de Almeida (OLMA), o professor Felipe Lacerda

Ações

Decano do Centro de Ciências Sociais (CCS), professor Luiz Roberto da Cunha

O projeto de enfrentamento da COVID das favelas, uma rede de universidades e lideranças populares que resultou na Lei Estadual 8.9772/20, que permitiu a doação de R$ 20 milhões para a Fiocruz; e o Elo, campanha de arrecadação de alimentos para a população da Rocinha; foram dois dos exemplos de projetos e ações que o Decano do Centro de Ciências Sociais (CCS), professor Luiz Roberto da Cunha, compartilhou em um vídeo. Ele mostrou as iniciativas e atividades socioambientais que os noves departamentos participantes da CCS desenvolveram.

Cunha pediu aos professores Juliano de Assunção, do Departamento de Economia, e Alexandro Solórzano, do Departamento de Geografia e Meio Ambiente que eles comentassem um pouco sobre as atividades desenvolvidas pelos seus respectivos departamentos. Assunção ressaltou que o tema meio ambiente está cada vez mais presente na Universidade, não só no ensino como também na pesquisa. Ele disse que, com início da pandemia, o Departamento de Economia logo se mobilizou para estudar o assunto.

Professor Alexandro Solórzano, do Departamento de Geografia e Meio Ambiente

- No aspecto do meio ambiente associado à pandemia, o departamento reagiu de maneira muito rápida no ano passado diante dos desafios, com um esforço bastante significativo de pesquisa e exploração que pode ser visto em  23 artigos de opinião e três artigos científicos resultantes de consequências econômicas e desafios metodológicos associados  à pandemia. Tivemos um ciclo de seminário virtual semanal que contou com a presença de pesquisadores e gestores de políticas públicas, não só brasileiros como estrangeiros – relatou.

Professor Juliano de Assunção, do Departamento de Economia

O Decano do Centro de Teologia e Ciências Humanas (CTCH), professor Júlio Diniz, compartilhou relatório mostrando as ações que os oito cursos de graduação e pós-graduação do CTCH realizaram. Comentou que a grande riqueza da Universidade foi que, mesmo que os cursos tenham trabalhado de formas distintas, eles conseguiram chegar ao mesmo lugar, ao mesmo objetivo. Diniz observou que o Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente da PUC-Rio (NIMA) é fundamental para os quatro decanatos, para vida cotidiana e para reinvenção da própria natureza humana.

Decano do Centro de Teologia e Ciências Humanas (CTCH), professor Júlio Diniz

Mais Recentes
Opção ágil e econômica para a leitura
Ex-aluna da PUC-RIO investe na compra e venda de livros e cria um sebo on-line
O jornalismo dos empreendedores
Editor do Projeto Colabora, Aydano André Motta aponta novos caminhos para os profissionais da área
Eterna Dama do Crime
Uma das romancistas mais populares do século XX, Agatha Christie produziu grandes títulos do gênero policial, como O Assassinato de Roger Ackroyd, lançado há 95 anos