A atuação de fonoaudiólogos durante a pandemia
08/06/2021 21:17
Rafael Serfaty

Profissionais são fundamentais para a recuperação de pacientes que foram entubados

Fala-se muito do papel de médicos e fisioterapeutas que ajudam pacientes a enfrentar a Covid-19 e a se recuperar das sequelas da doença. Mas poucos sabem, no entanto, da atuação de um profissional de saúde cuja especialidade não parece estar diretamente envolvida no tratamento para combater o novo coronavírus: o fonoaudiólogo.  

Os problemas respiratórios se multiplicaram exponencialmente durante a pandemia, e a maior parte dos contaminados que foram hospitalizados apresentam dificuldade na deglutição e na fala após o entubamento. Por isso, é necessário o auxílio de um fonoaudiólogo para tratar esses distúrbios, como Lia Thoma, que trabalha em um Centro de Tratamento Intensivo (CTI) na Alemanha. De acordo com Lia, a recuperação de pacientes que contraíram o novo coronavírus requer terapia diária.

– Como fonoaudióloga, você pode ajudar o paciente a deglutir melhor, ajudar ele na alimentação, na respiração e na voz. Na deglutição, a recuperação é boa. Na fala, também. A respiração é que demora um pouco mais. Esta parte respiratória precisa ser feita desde o começo e levada muito a sério.

Fonoaudióloga Lia Thoma, que trabalha em um CTI na Alemanha

A pandemia não só atinge aqueles que ficam doentes, mas também afeta os que mantêm uma rotina limitada por causa do isolamento social. Em decorrência do extenso período de confinamento, o estresse, o nervosismo e a ansiedade proliferam com maior força e podem afetar a respiração e a fala de crianças.

Especializada na área infantil, a fonoaudióloga Maria Lucia Motta comenta sobre os efeitos do isolamento social para esta faixa etária. Ela diz que a quarentena provoca um impacto maior nas crianças, cujo desenvolvimento e a aprendizagem ficam bastante prejudicados. De acordo com Maria Lucia, que atende em Botafogo, Zona Sul, quem nasceu nos últimos dois anos sofre medo do desconhecido e ficou privado de uma série de atividades culturais, fundamentais para estimular o amadurecimento dos pequenos.

– Eu atendi uma família que não conseguia estimular o filho, não ia nem ao médico, nem ao pediatra porque não saía de casa. As crianças de um ano e pouco estão começando a aparecer aqui sem falar. Elas ficaram sem este olhar da família, porque o trabalho remoto está muito cruel. Não tem horário, é cansativo, estressante. E (a pessoa) ainda perder emprego, ter redução salário, um caos. Eu tenho recebido várias crianças com suspeita de autismo, virou até piada, todo mundo é autista. Você imagina uma criança que só vê parede num apartamento pequeno, com pouco espaço para andar. Isto tudo afetou o desenvolvimento da fala.

Maria Lucia também aponta o efeito do isolamento sobre crianças de 5 a 8 anos. Segundo a fonoaudióloga, aquelas que estão matriculadas entre o pré 2 e o segundo ano do fundamental ficaram com a alfabetização comprometida.

 – Quem era do pré 2, com todo aquele material de escrita, não conseguiu fazer on-line. O primeiro ano alfabetizou on-line, e quem foi para o segundo fez um primeiro muito ruim. O vínculo da criança com o colégio foi perdido, está uma confusão. Eu tenho recebido criança que não está conseguindo ler, que está com problema de foco porque não se concentra, o olho está cansado, então há muita queixa de dor no olho. Existe uma hiperconvergência por conta da tela, tanto do on-line quanto do jogo.

Mais Recentes
Opção ágil e econômica para a leitura
Ex-aluna da PUC-RIO investe na compra e venda de livros e cria um sebo on-line
O jornalismo dos empreendedores
Editor do Projeto Colabora, Aydano André Motta aponta novos caminhos para os profissionais da área
Eterna Dama do Crime
Uma das romancistas mais populares do século XX, Agatha Christie produziu grandes títulos do gênero policial, como O Assassinato de Roger Ackroyd, lançado há 95 anos