Visão de futuro com humildade
15/09/2022 22:19

Vice-Reitor Geral, Vice Reitor de Desenvolvimento e Inovação e Presidente da Fundação Padre Leonel Franca tomam posse

Padre Anderson, S.J, na cerimônia de posse. Foto: Sophia Marques

O Padre André Luís de Araújo, S.J., e o professor Marcelo Gattass, foram empossados nesta quinta-feira, dia 15, como os novos Vice-Reitor Geral e Vice-Reitor de Desenvolvimento e Inovação, respectivamente. Na mesma ocasião, o Padre Roberto Barros Dias, S.J. também tomou posse como Presidente da Fundação Padre Leonel Franca. O Provincial dos Jesuítas do Brasil, Padre Miêczysláw Smýda, S.J. presidiu a cerimônia. A solenidade foi aberta pelo Reitor, Padre Anderson Antonio Pedroso, S.J., que convidou todos para a execução dos Hinos Nacional e Pontifício interpretados pelo Coral da PUC-Rio.

Padre André Luís de Araújo, S.J., é graduado, mestre e doutor em Letras pela UFMG, e cursou Filosofia e Teologia no Centro Sèvres Facultés Jésuites de Paris, com parte dos estudos na Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia, em Belo Horizonte. Marcelo Gattass é professor titular do Departamento de Informática, diretor do Instituto Tecgraf e doutor em Engenharia Civil no Programa de Computação Gráfica da Cornell University, EUA. Já Padre Roberto Barros Dias, S.J., é doutor em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará e tem mestrado em História pela Universidade Federal da Paraíba.

O Reitor da PUC-Rio abriu a cerimônia com uma menção ao ex-Reitor da instituição Padre Laércio Dias de Moura (1918-2012), que segundo ele, trouxe unidade à gestão da Universidade e enfrentou grandes desafios. Padre Anderson aproveitou para agradecer a colaboração do professor Sérgio Bruni, que durante 11 anos exerceu o cargo de Vice-Reitor para Assuntos de Desenvolvimento. Ele também cumprimentou a família de Padre André, que veio de Minas Gerais, especialmente para a posse do religioso, e saudou o Provincial Miêczysláw Smýda.

Padre André fez uma homenagem a Padre João Augusto Anchieta Amazonas Mac Dowell, S.J., que foi sepultado no dia 14 de setembro. O religioso foi Reitor da PUC-Rio entre 1976 e 1982, e, de acordo com Padre André, enfrentou tempos difíceis durante o regime militar no Brasil. Ele recordou a formação de Mac Dowell como filósofo, as produções científicas do religioso e ressaltou que o jesuíta deve ser uma referência para todos.

Padre André Araújo lembrou da amizade com o Reitor no discurso de posse. Foto: Diogo Maduell

O novo Vice-Reitor Geral lembrou o processo de escolha dos jesuítas que vão conduzir a Universidade, a amizade com o Reitor Padre Anderson e as atribuições que vão surgir com esta nova missão.

— O senso de responsabilidade é grande. Venho para uma colaboração que vem sendo desenhada e pensada, de estabelecer uma colaboração e de ser uma presença de qualidade. Ainda mais uma Universidade como a PUC-Rio, importante para o Brasil, a Arquidiocese do Rio de Janeiro e a Companhia de Jesus.

Padre André  ainda expôs o compromisso de desenvolver projetos no Centro Loyola de Fé e Cultura e terminou com a citação dos poemas Mãos Dadas, do poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade, e O Menino que Carregava Água na Peneira, de Manoel de Barros.

Na sequência, o último Vice-Reitor para Assuntos de Desenvolvimento, professor Sergio Bruni, apontou que a data é duplamente significativa: ele passa a função para o professor Marcelo Gattass, a quem respeita muito; e é a data de nascimento de Olívia, sua quarta neta. O professor, que assumiu a função em outubro de 2011, elogiou a competência dos institutos Tecgraf, Gênesis, iiLer (Instituto Interdisciplinar de Leitura PUC-Rio) e NIMA (Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente). Para ele, o sentimento é de que a caminhada foi prazerosa.

— Procurei cumprir as minhas funções com entusiasmo, dedicação e cordialidade. O principal é reconhecer algumas pessoas que tiveram papel fundamental nessa caminhada. Professor Gattass, tenho convicção absoluta de que, com a sua competência e conhecimento de mais de quatro décadas integralmente dedicadas à PUC-Rio, você é o Vice-Reitor de Desenvolvimento e Inovação que o momento pede. Ao Padre Anderson, peço que o senhor continue com tanta sabedoria e inspiração durante a sua gestão. À Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, a minha imprescindível e eterna gratidão.

Professor Marcelo Gattass afirmou que as universidades são um espaço de inovação. Foto: Diogo Maduell

Após assinar o termo de posse, o Vice-Reitor de Desenvolvimento e Inovação, professor Marcelo Gattass, afirmou ser uma tarefa difícil suceder um orador como Sérgio Bruni. Agradeceu ao Padre Anderson pela confiança e aos convidados pela presença, em especial os que lhe acompanharam em sua caminhada. Segundo Gattass, vivemos um momento de grandes transformações.

— Cheguei à PUC-Rio nos anos 1970, quando ela se firmava como Universidade de pesquisa. Cumprimos a missão de formar novas gerações de professores em todo o Brasil, mas temos que transformar a PUC para ela crescer de novo. Hoje, as universidades estão se transformando em espaços de inovação, com uma integração maior entre todos os tipos de conhecimento. Uma transformação que liga saberes, ciências, seres humanos e sociedades. Temos um caminho longo a ser percorrido, desafios enormes a serem cumpridos. Precisamos de uma nova Universidade: mais forte e mais confiante.

Durante seu discurso, o presidente da Fundação Padre Leonel Franca, Padre Roberto Barros Dias, S.J., disse que sentiu uma grande satisfação de ver todos na cerimônia e afirmou que a PUC-Rio e a Fundação se fazem com muitas mãos, cabeças e corações e de forma coletiva. Ele concluiu que todo serviço deve ser feito com alegria e citou o poeta Thiago de Mello.

— E por que não dizer de forma sinodal e sistêmica? E, por isto, que tenho sido motivado para esta missão. E também o que me motiva é entender que a Universidade são meios significativos de um grande projeto que se chama educação de qualidade que visa a excelência humana e cidadã.

Padre Roberto Barros Dias, S.J., afirmou que todo serviço deve ser feito com alegria. Foto: Sophia Marques

O Provincial dos Jesuítas do Brasil, Padre Miêczysláw Smýda, S.J., afirmou que a nova gestão manifesta profunda sintonia com o Plano Apostólico, alinhado às preferências apostólicas: mostrar o caminho para Deus por meio de exercícios espirituais e do discernimento; caminhar com os pobres, descartados do mundo e vulneráveis; acompanhar os jovens na criação de um futuro cheio de esperança; e colaborar no cuidado da Casa Comum.

Padre Smýda ressaltou que não é menos importante o compromisso de haver uma ecologia integral que demonstre que está tudo interligado. O religioso observou que os jesuítas promovem, nos meios universitários, o respeito pelo meio ambiente em sintonia com a Casa Comum. 

— Nos damos conta de que a nossa querida Amazônia, como diz o Papa Francisco, não está assim tão longe de nós como a lenha da nossa vida. Essas pistas são fruto de discernimento comum e orientam nossas ações e práticas nas obras da Companhia de Jesus, tal qual a PUC-Rio.

Padre Miêczysláw Smýda, S.J., ressaltou a importância dos compromissos apostólicos. Foto: Victória Reis

O Reitor da PUC-Rio destacou que os integrantes da Companhia de Jesus são ligados a uma tradição que os transcende. Segundo ele, um jesuíta enviado em missão nunca está sozinho. Padre Anderson afirmou ser possível sonhar, projetar uma visão de futuro com humildade a todos, e fez um pedido para os novos Vice-Reitores: que não o deixem errar com os jovens nem com os pobres. Ele convidou todos a cultivarem a esperança, de modo a tornar a PUC-Rio dos próximos 100 anos um ambiente ainda mais jovem.

— O sentido dessa Universidade é educação e inclusão. É um projeto que descobre os talentos e os coloca para o alto. Estamos passando por um momento histórico, são os alunos que vão nos levar para o além. Acredito que Gattass e Padre André são as melhores cabeças e os melhores corações para renovar esta Universidade. Nós estamos aqui porque a nossa missão ainda não terminou. Unidos, engajados e comprometidos, a virtude da esperança vai reinar.

Missa

Missa na Igreja do Sagrado Coração de Jesus. Foto: Diogo Maduell

Ao meio-dia, o Provincial dos Jesuítas do Brasil celebrou uma missa na Igreja do Sagrado Coração de Jesus. Na homilia da missa, o sacerdote polonês destacou a necessidade da compaixão para com o próximo e falou sobre Nossa Senhora das Dores como exemplo desta virtude. Segundo ele, a memória mariana aponta para a centralidade de Jesus Cristo, que une as realidades humana e divina.

— O mundo está em falta de compaixão. Não sem falta de palavras, porque, por todos os lados, nos meios de comunicação, escutamos ‘solidariedade’, 'compromisso', mas não olhamos que a caridade não está como deveria. Geramos injustiças, provocamos a violência e não trazemos a paz. Quando a humanidade se concentra em si mesma, no seu bem-estar, esquece, pois só vamos ser felizes se encontrarmos o outro como nosso objetivo de felicidade. Doar-se, servir, fazer o melhor para todos.

O Reitor da PUC-Rio, Padre Anderson Antonio Pedroso, S.J., convidou os padres jesuítas que concelebraram a eucaristia e o Supervisor Administrativo da Universidade, Irmão Brune Gonçalves, S.J., para cantarem a Oração de Santo Inácio, que foi interpretada pelo Coral da PUC-Rio.

Participaram desta cobertura: Carolina Smolentzov, Fernando Annunziata, Gabriel Meirelles, Giovanna De Luca, Giulia Matos, Henrique Silva, Kecila Barcelos, Luzi Alves, Rafael Serfaty, Sophia Marques, Victória Reis.

Mais Recentes
Mesma essência em diferentes frequências
Em comemoração do centenário do rádio, a professora Rose Esquenazi analisa as transformações do meio de comunicação
Avanço sobre o desconhecido
No XXX Seminário de Iniciação Científica da PUC-Rio, alunos da Universidade recebem certificados e discutem o ofício da ciência neste século
Amizade e fraternidade social
XIII Semana da CRE discute maneiras de incentivar autonomia e cidadania na Universidade