Reconhecimento do potencial tecnológico
20/09/2022 17:31
Luanna Lino e Victória Reis

Criadores da Linguagem Lua recebem a medalha Pedro Ernesto na PUC-Rio

Homenageados recebem Medalha Pedro Ernesto (Foto: Luanna Lino)

No dia do programador, a Câmara Municipal do Rio de Janeiro condecorou os criadores da Linguagem Lua com a medalha Pedro Ernesto. Os professores Roberto Ierusalimschy e Waldemar Celes, do Departamento de Informática (DI), e o pesquisador Luiz Henrique de Figueiredo, do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), receberam no dia 13 de setembro as medalhas das mãos do vereador Marcelo Arar (PTB) no Auditório do RDC, na PUC-Rio. A mesa também contou com a presença do ex-secretário de Desenvolvimento Econômico Chicão Bulhões, o Decano do Centro Técnico Científico, professor Sidnei Paciornik, e o diretor do DI, professor Markus Endler.

Criada há 42 anos, a Medalha Pedro Ernesto é a maior honraria concedida pela Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Os homenageados são escolhidos por se destacarem em trabalhos e projetos de relevância para a sociedade brasileira. Para Sidnei Paciornik, o prêmio de relevância é merecido e fruto de um trabalho em grupo longevo.

- Eu conheço os colegas homenageados aqui há muito tempo, me graduei com o Roberto, e foi uma experiência especial. Quando começava a entender uma coisa, ele já estava em algum outro lugar. Logo, quando a Linguagem Lua explodiu, acompanhei interessado e curioso por muitos anos, talvez eu tenha sido uma das pessoas menos surpreendidas pelo sucesso, porque sabia do meritíssimo.

Medalhas Pedro Ernesto (Foto: Luanna Lino)

A Linguagem Lua de programação foi criada em 1993, no Instituto Tecgraf, em uma parceria da PUC-Rio com a Petrobras pelos pesquisadores da Universidade. Inicialmente, o objetivo do projeto era auxiliar programas de engenharia, mas ao longo do tempo alcançou o mundo, e a Lua já foi usada em jogos como Angry Birds e World of Warcraft. Projetada para estender aplicações e ser aberta e acessível, ela permite programação procedural, programação orientada a objetos, funcional, orientada a dados e descrição de dados. 

O professor Roberto Ierusalimschy citou a honra dupla em receber a homenagem e ter a cerimônia realizada na Universidade, onde o projeto ganhou vida. Um dos autores do livro Programming in Lua, ele disse que, além dos jogos já citados, outras empresas como Adobe e Huawei apresentam milhões de linhas de códigos escritas em linguagem Lua.

- É difícil para quem não é da área entender a vida de uma linguagem de programação. Uma organização, ao adotar uma linguagem para um projeto, está assumindo um compromisso de auto investimento e de longa duração. Empresas como Adobe e Huawei têm literalmente milhões de linhas de códigos escritas em Lua. É bastante caro para empresas internacionais desse porte investir tanto com base em uma tecnologia desenvolvida neste pequeno prédio aqui da Universidade.

Segundo o professor Waldemar Celes, a capacitação da juventude nos meios digitais é fundamental em um mundo cada vez mais baseado em soluções tecnológicas. Celes apontou que a homenagem reafirma o sucesso do modelo autossustentável de pesquisa e desenvolvimento apoiado em parcerias com a indústria que há anos é  promovida pelo Tecgraf.

- Espero que a Lua possa ser mais um ícone na identificação do Rio de Janeiro como um polo de Tecnologia da Informação, e que o Programa de Capacitação Tecnológica do município seja um sucesso que ajude a transformar a vida dos nossos jovens que têm grande valor na transformação da nossa sociedade. Hoje, devido aos jogos de computador que usam a Lua no mundo inteiro, milhares de crianças e jovens têm o primeiro contato com o mundo da programação de computador. De fato, a linguagem tem características adequadas para introduzir os conceitos de programação entre jovens e mais novos, e quem sabe um dia possamos usar o Lua como instrumento de ensino das escolas municipais.

Para o professor Luiz Henrique de Figueiredo, é um privilégio dividir o trabalho com mentes como Celes e Ierusalimschy. De acordo com o pesquisador, as linguagens de programação são fundamentos do software que dominam a vida digital atualmente, mas uma linguagem de programação é um componente invisível deste software e é um veículo que permite expressar completamente as ideias do produto. Ele pontuou que o sucesso da linguagem é medido pela adoção da indústria, e que neste sentido a Lua é um enorme triunfo fora do Brasil. 

- Ela é usada por milhares de programadores e centenas de produtos diversos no mundo todo, especialmente na programação de jogos com audiência mundial de milhões de jogadores. Lua é a única linguagem sobre uma ação criada fora do primeiro mundo a ter essa relevância mundial. É de maior satisfação pessoal participar de um produto brasileiro com esse impacto no mundo, por exemplo, que instituições excelência podem produzir com apoio e dedicação. Espero que a sociedade brasileira continue apoiando essas instituições.

Auditório do RDC (Foto: Luanna Lino)

O Vice-Reitor de Desenvolvimento e Inovação, professor Marcelo Gattass, expressou orgulho ao falar sobre os colegas homenageados, disse que é uma honra ver um projeto que nasceu no Instituto ser tão bem-sucedido e reconhecido em diferentes lugares. Gattass enfatizou a importância da conquista de um espaço no mercado com a linguagem e a produção de conhecimento como forma de transformá-lo em emprego e sustentabilidade.

- Nós temos o poder e obrigação de produzir conhecimento e riqueza na sociedade que vivemos. É uma necessidade no mundo de hoje, onde o conhecimento digital tem tanto valor. É um privilégio enorme ter tido a oportunidade de trabalhar com os três. Desde o Luís Henrique como um estagiário no início, Waldemar com aluno e Roberto como colega.

Para saber mais sobre o LabLua, acesse.

Mais Recentes
Mesma essência em diferentes frequências
Em comemoração do centenário do rádio, a professora Rose Esquenazi analisa as transformações do meio de comunicação
Avanço sobre o desconhecido
No XXX Seminário de Iniciação Científica da PUC-Rio, alunos da Universidade recebem certificados e discutem o ofício da ciência neste século
Amizade e fraternidade social
XIII Semana da CRE discute maneiras de incentivar autonomia e cidadania na Universidade