Comunidade acadêmica se despede do professor Ricardo Benzaquen
09/02/2017 17:26
Gustavo Côrtes

Professor, historiador e antropólogo é lembrado pelos colegas por sua simplicidade e sua inestimável contribuição às ciências sociais e à Universidade, onde lecionou por mais de 40 anos.

Ricardo Benzaquen / Foto: Felipe Fittipaldi

Morreu, no último dia 1º de fevereiro, o professor, historiador e antropólogo Ricardo Benzaquen de Araújo, professor da PUC-Rio, universidade em que se formou e lecionou no Departamento de História por mais de 40 anos. Benzaquen foi um importante intérprete da sociologia brasileira do século 20, tendo se dedicado principalmente à análise das obras de Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Holanda. Diversos colegas lamentaram a perda, e instituições divulgaram notas de pesar.

O reitor da PUC-Rio, Padre Josafá Siqueira, lamentou a morte do professor e ressaltou suas virtudes como profissional e amigo:

– Quero manifestar meus sentimentos pelo falecimento de nosso querido professor Ricardo Benzaquen, que compartilhou conosco durante muitos anos os seus conhecimentos em história, com competência e seriedade. Ele sempre será lembrado não só como professor e pesquisador, mas também como uma pessoa que procurou participar das inúmeras atividades na PUC-Rio, com simplicidade e grandeza de coração. Que lá na pátria celeste onde ele viverá eternamente, certamente estará intercedendo por nós e pela PUC-Rio que ele tanto gostava.

O decano do CTCH, professor Julio Diniz, o vice-reitor Francisco Ivern, os diretores dos departamentos de Ciências Sociais, Educação, Engenharia Civil, Engenharia Mecânica e a Assessoria Jurídica também manifestaram sua solidariedade à família, e exaltaram sua inestimável contribuição para a Universidade.

A professora do Departamento de Antropologia da USP Lilia Shwarcz acompanhou o quadro agudo de saúde do amigo, com quem dividiu trabalhos acadêmicos – organizaram juntos Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda (Cia das Letras, 2006) – e experiências pessoais:

– Eu o conheci no final dos anos 90, através de um grupo da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (Anpocs) chamado História do Pensamento no Brasil, no qual ele ocupava uma posição central. A liderança do Ricardinho se devia à erudição, à generosidade com os outros e à curiosidade pelo conhecimento alheio. Então ele despertava nas pessoas uma vontade enorme de conhecê-lo. A frase que talvez melhor o defina é “deixa comigo”, tamanha era a vontade de ajudar. Só que ele era uma pessoa do mundo intelectual. Na vida prática, não era tão eficiente. Mesmo assim, sempre se dispunha a resolver problemas.

As palavras do professor do Departamento de direito da PUC-Rio Adriano Pilatti corroboram a descrição afetuosa de Lilia sobre Benzaquen.

– Maravilhoso ser humano, grande intelectual, generoso professor e orientador, fino escritor. Todos que privaram mais próxima e intimamente de sua convivência sentirão o tamanho da cratera que se abriu no Departamento de História, na PUC e muito além.

O professor Roberto DaMatta escreveu sobre o colega, ex-aluno no Museu Nacional, na coluna “A vida e os mortos”, no jornal O Globo: “Como sócio-historiador de primeira categoria, Ricardinho, como nós os chamávamos por causa de seu temperamento simples, doce e generoso, sabia tudo, mas fingia que você o ensinava alguma coisa”.

Também no Globo, o colunista Fred Coelho prestou sua homenagem, no texto “Anônimos e eternos”: “Ricardo Benzaquen de Araújo era parte de um grupo de pesquisadores que, hoje, são cada vez mais raros dentre as novas gerações. Talvez tenha sido a última leva de pensadores do século XX que ainda colocaram o Brasil e seus problemas profundos no centro de suas preocupações e delírios”.

A Biblioteca Nacional emitiu nota de pesar, em que a diretora do Centro de Cooperação e Difusão da Biblioteca Nacional, Maria Eduarda Marques, ex-aluna de Benzaquen, destaca que o professor era referência na área da Teoria de História no Rio de Janeiro, responsável pela formação de uma geração de alunos nos departamentos de História da PUC-Rio e do Iuperj.

Ela ainda destaca a perspectiva ampla e aberta da História de Benzaquen, que o levou a estudar tanto futebol como o Integralismo, “a partir de uma perspectiva antidogmática e anticientificista da história”. Na Biblioteca Nacional, Ricardo Benzaquen de Araújo integrou o Conselho Editorial da Revista de História. ­Doutor em antropologia, Benzaquen é autor de Totalitarismo e Revolução (1988, Zahar), sobre o movimento integralista no Brasil, mas foi Guerra e Paz: Casa-grande e Senzala e a Obra de Gilberto Freyre nos Anos 30 (1994, Editora 34) o livro que o consagrou. No ensaio, premiado com o Jabuti, disseca o pensamento de Gilberto Freyre, um dos mais importantes intelectuais brasileiros.

DaMatta define o ensaio como inestimável contribuição, que só “uma alma com o seu equilíbrio de rabino” poderia ter produzido. “Ali ele revela o erro de reduzir Freyre a uma só gaveta e discute a presença dos desequilíbrios presentes no Brasil inventado pela obra deste que foi o maior conhecedor do Brasil”. Lilia completa:

– Ele certamente figura entre os nossos grandes intérpretes. A análise feita por ele em Guerra e Paz é pioneira, porque criou uma nova maneira de compreender o pensamento do Gilberto Freyre, sobretudo nessa ideia de equilíbrio de opostos, a acomodação de contradições, tão recorrente nas obras de Freyre.

O antropólogo também contribuiu para a coletânea de ensaios Um enigma chamado Brasil: 29 intérpretes e um país (2009, Companhia das Letras), e desenvolvia um trabalho sobre Joaquim Nabuco.

O velório, realizado dia 2 no Cemitério do Caju, no Rio, reuniu cerca de duzentas pessoas. “Eu e a torcida do Flamengo adorávamos o Ricardinho. Num mundo de tão poucas unanimidades, ele sem dúvida era uma”, resumiu Lilia.

Mais Recentes
Sustentabilidade é novo paradigma de desenvolvimento
Em palestra na PUC-Rio, pesquisadores do IBGE e professores do Centro de Ciências Sociais discutem a importância da leitura de indicadores sociais, e as lacunas nos dados
Fevuc: remodelação da aparência
Convidados refletem sobre as mudanças que cada indivíduo passa para se integrar às regras impostas pela sociedade
Pilotis recebem doações para as milhares de vítimas do furacão no Haiti
Reitor conclama Comunidade PUC para aderir à campanha. Feijão, arroz e leite em pó são prioridade. Arca da Solidariedade está nos Pilotis do Kennedy.