Núcleo de Memória lança livro sobre Igreja Sagrado Coração
30/05/2017 13:49
Dóris Duque

Publicação ilustrada apresenta em detalhes a história da igreja e de seu acervo – como vitrais baseados em painéis originais de Portinari, estátuas esculpidas pela artista Mazeredo e Via Sacra do pintor Carlos Oswald, além de crucifixo de autor desconhecido, do século XVIII.

Um mistério ronda a origem do crucifixo em madeira que adorna a parede lateral da Igreja do Sagrado Coração de Jesus. De autoria desconhecida, presumivelmente do século XVIII, a imagem do Cristo crucificado intriga a equipe do Núcleo de Memória da PUC-Rio, que realizou por dois anos uma vasta pesquisa sobre a história da igreja e cada obra de seu acervo. “Foi impossível rastrear. Não se sabe quem fez, de onde, veio, onde ficava, nem quem o trouxe para a PUC”, lamentou a coordenadora do Núcleo de Memória, Margarida de Souza Neves, que chegou a encontrar, em uma igreja de Berlim, um Cristo crucificado “irmão” ao da PUC. “Surpreendentemente, expliquei, em alemão, toda a história ao clérigo responsável pela igreja. Infelizmente, mesmo assim não foi possível determinar se a imagem da Igreja Sagrado Coração é realmente alemã”, contou a professora, no lançamento do livro Igreja do Sagrado Coração de Jesus: fé, arte, memória, nesta segunda-feira, no Conselho Universitário.

Reprodução da imagem do Cristo crucificado

Todos os registros sobre o crucifixo, carinhosamente chamado de “Cristo fujão” por Margarida e cuja presença é registrada na PUC desde os anos 1960, fazem parte da publicação ricamente ilustrada, que apresenta em detalhes a história da Igreja e de cada obra de seu interior – como os vitrais baseados em painéis originais de Cândido Portinari, as estátuas do Sagrado Coração de Jesus, de Nossa Senhora e de Santo Inácio de Loyola esculpidas pela artista Mazeredo e os quadros da Via Sacra do pintor Carlos Oswald. No lançamento, que contou com a presença do vice-reitor Comunitário, professor Augusto Sampaio, e do Reitor da Igreja, padre Alexandre Paciolli, entre outros, a professora contou sobre o processo de produção da obra e as pesquisas realizadas.

“A intenção é que fosse um livro bonito e com densidade acadêmica, com uma pesquisa teórica séria”, resumiu a professora Margarida Neves. Integraram a equipe a coordenadora de pesquisa de Silvia Ilg Byington, os pesquisadores Clóvis Gorgônio e Eduardo Gonçalves, os fotógrafos Antônio José Albuquerque e Weiler Filho e bolsistas de iniciação científica.

A coordenadora do Núcleo de Memória, Margarida Neves

O Reitor da Universidade, padre Josafá Carlos de Siqueira, que assina a apresentação do livro, ressaltou a importância da criação de uma referência sobre o assunto e a preservação da memória da instituição: “A responsabilidade ficou com o Núcleo de Memória, ao qual agradecemos de coração”.

Assim como padre Josafá, que ressaltou a vida inter-religiosa no campus, Margarida citou a relevância de se conhecerem outras crenças e outros tipos de igrejas, como a Mesquita Azul em Istambul, em que as torres são usadas para o chamado à prece, mas também para “atarraxar o céu e a terra”. Referiu-se também a uma igrejinha no interior de São Paulo com bandeirinhas cortadas a tesoura e enfeites com papel celofane; e à Capela do Homem, na capital do Equador, Quito, construída por Oswaldo Guayasamín.

Padre Josafá também agradeceu aos colaboradores que tornaram possível a construção da igreja. Na apresentação do livro, o Reitor conta que era antigo o sonho da PUC-Rio de ter uma igreja no campus, para que as atividades religiosas – realizadas, desde 1955, numa pequena capela de 70 lugares no Edifício Cardeal Leme pudessem ser ampliadas em compasso à ampliação da Universidade.

Padre Josafá, padre Alexandre e professor Augusto Sampaio no lançamento. Foto de Lucas Simões

A Sagrado Coração de Jesus, com 400 lugares, começou a ser construída em 2001, em lugar do antigo ginásio esportivo, e foi unicamente financiada por benfeitores da Universidade. Com uma doação de mil dólares do médico Ernesto Júlio Bandeira de Mello, iniciou-se uma campanha para a construção da igreja, que, levada à frente por jesuíta Padre Pedro Magalhães Ferreira, atual presidente da Mantenedora da PUC-Rio, com a ajuda da Companhia de Jesus e do Colégio Santo Inácio, ganhou a adesão de outros benfeitores, como Paulo Mário Freire, Carlos Alberto Serpa e Paulo César Mendonça Motta, amigos e ex-alunos da PUC.

Em 2003, foi celebrada a primeira missa e inaugurado o novo Centro de Pastoral Universitária. Em 2005, o templo foi sagrado pelo então cardeal do Rio de Janeiro e grão-chanceler da PUC-Rio, Dom Eusébio Oscar Scheid.

Mais Recentes
Sustentabilidade é novo paradigma de desenvolvimento
Em palestra na PUC-Rio, pesquisadores do IBGE e professores do Centro de Ciências Sociais discutem a importância da leitura de indicadores sociais, e as lacunas nos dados
Fevuc: remodelação da aparência
Convidados refletem sobre as mudanças que cada indivíduo passa para se integrar às regras impostas pela sociedade
Pilotis recebem doações para as milhares de vítimas do furacão no Haiti
Reitor conclama Comunidade PUC para aderir à campanha. Feijão, arroz e leite em pó são prioridade. Arca da Solidariedade está nos Pilotis do Kennedy.