"Racismo e machismo atrapalham o desenvolvimento das pesquisas"
08/06/2017 16:38
Diana Fidalgo

Educadores e estudantes debatem questões étnico-raciais na Semana de Educação da PUC-Rio.

Mesmo depois de 129 anos da abolição da escravidão no Brasil, em 1888, e a despeito do mito da democracia racial, o preconceito de raça continua disseminado na sociedade brasileira. Indício disso é que apenas 3% das bonecas disponíveis no mercado são negras, segundo levantamento feito pela ONG Avante, em 2016, embora negros somem 54% da população. A falta de representatividade na sociedade e a atuação de pedagogos em diferentes espaços em torno das questões étnico-raciais foram tema de debate na VII Semana de Educação na PUC-Rio, organizada pelo Decanato do CTCH, pelo Departamento de Educação e pelo Centro Acadêmico de Pedagogia, no dia 29 de maio.

Especialistas criticaram o processo de “branqueamento” de personalidades negras e na formação. Integrante do Gecec (Grupos de Estudos sobre Cotidiano, Educação e Cultura(s), Rogério José questionou a falta de registros sobre negros na Antiguidade Clássica, o que contribui para a crítica aos currículos de história, e defendeu a decolonialidade, processo que busca superar o padrão de poder colonial instituído historicamente:

– Precisamos nos libertar de tudo aquilo que nos amarra. O racismo, o machismo atrapalham o desenvolvimento das pesquisas. Precisamos exercitar a decolonialidade, que precisa vir de dentro de nós. E isso se faz com pesquisas, experimentação, buscas, novas bibliografias, novas leituras, com outras referências que não só as europeias.

Foto de Lucas Simões

A cientista social Lua Fonseca, integrante do Coletivo Nuvem Negra da PUC-Rio, também comentou sobre a falta de representatividade nos estudos, em que há pouca referência a autores negros:

– Os professores têm que pensar no que fazer para a sala deles ser menos branca. Não estamos pedindo algo específico, e sim pedindo para todos refletirem. Precisamos falar de racismo não quando acontece, e sim para evitar.

Lua Fonseca. Foto de Lucas Simões

Para outra integrante do Gecec, Sandra Marcelino, ainda falta muito para se chegar a ter a devida representatividade e o “protagonismo de negritude” em todos os ambientes, inclusive escolares e acadêmicos. Ela contou que, convidada a fazer a abertura de um evento de professores, ouviu como sugestão que se caracterizasse de “Nega Maluca”.

– Hoje, assumo outro protagonismo de negritude. Há o reconhecimento de diferenças, mas não há representatividade de fato nas escolas, universidades... A criança chega à escola e nos murais só tem aquele desenho de personagens branquinhos de cabelo amarelo ou castanho. A escola tem que ter a diversidade.

Foto de Lucas Simões

A empresária e historiadora Jaciana Melquiades, militante do movimento negro, criou em 2013 o projeto Era Uma Vez o Mundo, com o objetivo de desenvolver brinquedos representativos para crianças. Ela contou que seu filho de 5 anos, Matias, faz com que ela reflita sobre o seu próprio comportamento no cotidiano:

– Na minha formação não tive nenhuma disciplina que tratasse de questões raciais. Só comecei a tratar quando tive uma motivação pessoal, que foi o meu filho. Percebi que os únicos exemplos de sucesso que conheci na minha infância eram de pessoas que tinham um horizonte de expectativa muito limitado. O que o negro pode ser na sociedade? Que caminhos a gente pode trilhar? Agora, sou uma mulher negra empresária, viajo o Brasil falando da minha experiência, penso no melhor jeito de ver o mundo e de como essas discussões podem ganhar repercussão.

Foto de Lucas Simões

Leia também: A realidade de jovens negros no ensino superior brasileiro

Mais Recentes
Sustentabilidade é novo paradigma de desenvolvimento
Em palestra na PUC-Rio, pesquisadores do IBGE e professores do Centro de Ciências Sociais discutem a importância da leitura de indicadores sociais, e as lacunas nos dados
Fevuc: remodelação da aparência
Convidados refletem sobre as mudanças que cada indivíduo passa para se integrar às regras impostas pela sociedade
Pilotis recebem doações para as milhares de vítimas do furacão no Haiti
Reitor conclama Comunidade PUC para aderir à campanha. Feijão, arroz e leite em pó são prioridade. Arca da Solidariedade está nos Pilotis do Kennedy.