Leonel Aguiar reúne em livro vida e obra dos principais teóricos da comunicação
23/06/2017 08:31
Ana Carolina Salvador

Os professores Leonel Aguiar (foto), coordenador de Graduação do Departamento de Comunicação Social, e Adriana Barsotti organizaram "Clássicos da Comunicação", com biografia e conceitos dos 20 teóricos mais citados em pesquisas acadêmicas da área.

Um dos organizadores, Leonel Aguiar explica a importância do livro / Foto: Lucas Simões
O livro Clássicos da Comunicação – os teóricos de Peirce a Canclini, que será lançado pela Editora Vozes e pela Editora PUC-Rio, reúne 20 pensadores considerados mais relevantes na área acadêmica de comunicação e que também são citados de forma recorrente em outras pesquisas de ciências sociais. Cada capítulo apresenta um resumo sobre a vida, a obra, os principais conceitos de cada um dos nomes que marcaram o campo comunicacional, além de citar a bibliografia e principais publicações traduzidas para a língua portuguesa. Oriundos de universidades públicas e privadas de todo o Brasil, os autores dos artigos escreveram textos com uma linguagem clara e acessível, destinados não só a professores como também a estudantes de graduação e pós-graduação de Comunicação Social e de outros cursos universitários.

A obra foi organizada pelo coordenador de Graduação do Departamento de Comunicação Social, professor Leonel Aguiar, e pela professora da ESPM/Rio Ibmec Adriana Barsotti. Ambos tiveram a responsabilidade de selecionar quais os autores fariam parte dessa lista e quais seriam os doutores convidados para escrever os ensaios. Aguiar explica que a importância dessa coletânea é introduzir os estudantes no complexo processo de produção de conhecimento da área com textos que descrevem e contextualizam os principais autores do campo comunicacional com informações precisas. O professor Leonel indicou alguns dos principais autores analisados no livro:

Walter Benjamin (1892-1940)

Nascido em Berlim, Walter Benjamin foi duplamente perseguido na década de 1930 na Alemanha, pois era comunista e judeu. Após a ascensão do nazismo, buscou exílio na França. Depois de Paris ser invadida pelos nazistas, decidiu planejar outra fuga. Quando estava prestes a ser detido na fronteira franco-espanhola, ele tomou uma cápsula de veneno e morreu. Por ironia do destino, ninguém no grupo foi preso e as pessoas conseguiram chegar à Espanha. Benjamin pensou a ideia da reprodutibilidade técnica da obra de arte com o aparecimento da fotografia e do cinema. Com a foto, há um deslocamento do olho no processo de produção da obra de arte para o dedo da mão. No cinema, há a mesma ideia, o ator sai do teatro para estar em qualquer outra dimensão. Para o professor Leonel Aguiar, Walter Benjamin também é um visionário, pois falou do conceito de concepção óptica e tátil antes da existência do celular. Para ele, o aparecimento do cinema fez com que as massas de trabalhadores conseguissem ter um processo cognitivo através da distração. Ou seja, o processo de ensino e aprendizagem não se dá só pelo grau de rigidez mas também pela diversão e entretenimento.

Theodor Adorno (1903-1969)

Adorno nasceu em Frankfurt am Main, Alemanha, de onde também teve que fugir e morreu em Visp, na Suíça. O pensador inaugurou a teoria crítica da comunicação nas décadas de 1920 e 1930, uma época na qual só se pensava como o produto comunicacional poderia ser melhorado de modo que o público se sentisse mais acolhido. Nesse mesmo período, enquanto nos Estados Unidos há pesquisas administrativas e mercadológicas; na Alemanha, os teóricos tentam desenvolver um modelo de pesquisa voltado para a crítica. De acordo om Aguiar, os quatro doutores que escreveram sobre Adorno relatam que a pesquisa deste pensador pode levar os jovens profissionais de comunicação a definir a que e a quem querem servir com sua inteligência e juventude.

Wilbur Schramm (1907-1987)

Para Schramm, a mensagem que sai do emissor nunca chega da forma esperada ao receptor. Esse fenômeno ocorre porque o destinatário recebe a mensagem e a decodifica de acordo com o seu lugar no mundo, ou seja, de acordo com o grupo de referência (família, igreja, sindicato, grupos de amigos) em que convive e de acordo com o campo de experiência de vida (idade, escolaridade, lugar onde mora, poder aquisitivo). Outro conceito importante é o feedback, em que existe a noção da comunicação circular. É isso que ocorre  nas mídias sociais: a mensagem sai, vai ao receptor e, do receptor, volta ao emissor.

Edgar Morin (1921-)

O parisiense Morin foi tenente entre 1942 e 1944, quando lutou nas forças armadas da França contra a invasão da alemã nazista. Em 1946, ele lançou o primeiro livro O Ano Zero da Alemanha, quando era chefe do departamento de propaganda do governo militar francês na Alemanha ocupada após a guerra. Graduado em Direito, História e Geografia, o teórico escreveu seis volumes da obra O Método, no qual ele propõe uma profunda reforma do pensamento pela teoria da complexidade. É um dos mais importantes pensadores da área ainda vivo.

Umberto Eco (1932-2016)

O italiano Umberto Eco é mais conhecido entre os estudantes por causa da nomeação de dois típicos modelos de análise sobre os teóricos de comunicação que dá nome ao livro que escreveu, Apocalípticos e Integrados. Nesta obra, Eco define o primeiro grupo como aqueles que veem os meios de comunicação de massa como uma cultura puramente mercadológica; enquanto o segundo entende que isso não seria um problema, mas um fator de integração cultural. Em 1980, ele lançou o livro O Nome da Rosa, que foi traduzido para mais de 30 línguas e virou filme. Antes de morrer, o escritor ainda fez críticas à internet como o lugar em que “todo idiota” pode reverberar a voz. 
Mais Recentes
Novos formatos para a Sétima Arte
A agência de audiovisual Vintepoucos Filmes utiliza valores de empreendedorismo dentro do universo cinematográfico. Branded content é a principal ofício da empresa iniciante 
Filmes retratam temas em pauta
Documentário Dedo na Ferida e longa-metragem Aos Teus Olhos recebem prêmios. Obras de professores são aplaudidas no Festival do Rio
Pequena África mobile
Aplicativo ajuda a desvendar região portuária e conta história da escravidão no Brasil