Bioconstrução reduz impacto ambiental na engenharia civil
28/08/2017 17:50
Dóris Duque

Professores e engenheiros defendem o uso de materiais como bambu – utilizado na cobertura do Anfiteatro Professor Junito Brandão, da PUC-Rio – além de terra, palha e até esterco, em lugar de ferro e alvenaria, como alternativa ecologica correta e socialmente inclusiva.

Estrutura de bambu do anfiteatro Prof° Junito Brandão na PUC-Rio. Foto: Juan Dias/ Acervo Bambutec
 

Durante o circuito de palestras promovidas pela Semana Integrada de Engenharia (SIEng), o engenheiro civil Bruno Liguori, fundador da Ibirá Engenharia Estrutural e Bioconstrução, apresentou diversos materiais orgânicos que podem ser utilizados na construção civil. O aço e o cimento, materiais básicos de toda construção desde que foram descobertos, acarretam um alto impacto ambiental, pois ambos envolvem mineração e emissão de CO2 em grandes quantidades, além do enorme gasto de energia e de combustível.

– Essa mentalidade leva a um déficit habitacional causado pela má distribuição de renda. Então, o uso indiscriminado desses materiais (e dessa lógica) causa impactos tanto ambientais como sociais – afirmou Liguori.

Bruno Liguori. Foto: Matheus Aguiar

Também palestraram na SIEng os professores da PUC-Rio Khosrow Ghavami, pioneiro em estudos e aplicação do bambu em construção civil no Brasil; e o professor Mário Seixas, designer na empresa especializada em bambu Bambutec, que atuou na construção da cobertura do Anfiteatro Professor Junito Brandão, da PUC-Rio, concluída em 25 dias.

O professor Ghavami apresentou resultados de seus estudos sobre a aplicabilidade do bambu, a planta de crescimento mais rápido do planeta, na construção civil. Depois de vários testes de resistência e dureza, o pesquisador chegou à conclusão de que algumas espécies do vegetal são tão resistentes quanto o aço. A vida útil das vigas de bambu é aumentada com defumações e pinturas especiais para proteger as fibras de ataques de insetos e fungos e da umidade. De origem iraniana, Ghavami ressaltou que o uso do bambu para construir não é novidade: “Culturas tradicionais já usavam há muito tempo, no mundo todo”.

Professor Mário Seixas. Foto: Dóris Duque

Seixas destacou que engenheiros, arquitetos e designers devem atentar para sua parcela de responsabilidade na geração de espaços mais inclusivos e que tenham o mínimo impacto ambiental possível:

– Os povos tradicionais já sabiam como construir poupando o ambiente e sem gerar lixo. Eles atendiam à lógica das pessoas e não a do dinheiro. Nosso excesso de racionalidade levou a uma irracionalidade na ocupação de nossos espaços.

Uma possível solução sugerida por Liguori é o retorno ao uso dos materiais disponíveis no entorno da obra e, consequentemente, uma adaptação da construção ao ambiente – como iglus e casas de pau a pique, por exemplo. Utilizando materiais de bioconstrução como terra, palha, bambu e até esterco, é possível erguer casas que, prontas, são idênticas às feitas de ferro e alvenaria.

Professor Khosrow Ghavami. Foto: Dóris Duque

Liguori frisou que a bioconstrução não deve nem pode ser utilizada em escala industrial, de modo a suprir o mercado dos materiais convencionais, justamente para evitar o impacto ambiental e também pela dificuldade de se criar uma padronização comercial desses materiais. Mas, segundo o engenheiro, o uso dessas técnicas na construção civil serve como forma de inclusão social e de independência habitacional, já que não são necessários muitos conhecimentos técnicos para realizar essas obras.

Mais Recentes
Sustentabilidade é novo paradigma de desenvolvimento
Em palestra na PUC-Rio, pesquisadores do IBGE e professores do Centro de Ciências Sociais discutem a importância da leitura de indicadores sociais, e as lacunas nos dados
Fevuc: remodelação da aparência
Convidados refletem sobre as mudanças que cada indivíduo passa para se integrar às regras impostas pela sociedade
Pilotis recebem doações para as milhares de vítimas do furacão no Haiti
Reitor conclama Comunidade PUC para aderir à campanha. Feijão, arroz e leite em pó são prioridade. Arca da Solidariedade está nos Pilotis do Kennedy.