A indústria petroquímica na Quarta Revolução Industrial
31/08/2017 14:54
Diana Fidalgo

Gerente executivo da fábrica Arlanxeo Brasil, da univerdade de Duque de Caxias, Ubiratan Gomes de Carvalho Sá destacou a Internet das Coisas entre as tendências da indústria petroquímica no Brasil, na Semana Integrada de Engenharia da PUC-Rio.

A Internet das Coisas é a quarta etapa da Revolução Industrial, acredita o engenheiro químico Ubiratan Gomes de Carvalho Sá. O gerente executivo da fábrica de borracha sintética Arlanxeo Performance Elastomers, localizada em Duque de Caxias, Sá aposta que a tendência da indústria petroquímica está nos objetos da vida cotidiana conectados à internet, agindo de modo inteligente e sensorial.

– A população mundial está na ordem de 7 bilhões de pessoas. Se, dentro de 40 anos, se estabilizar em torno de 9 bilhões, haverá uma demanda por produtos dessa natureza maior do que fabricamos hoje. Com a internet das coisas, teremos maior capacidade de produção e eficiência, e menor quantidade de energia e reutilização de materiais – afirmou o executivo, na palestra Tendências da indústria petroquímica com a “Internet das Coisas - IoT” e a Indústria 4.0, da Semana de Engenharia (SiEng), na quinta-feira (24).

O engenheiro lembrou que a evolução e a inovação tecnológica são provocados à medida que surge a necessidade de novas soluções, e que esses ciclos estão cada vez mais curtos. “A indústria química no Brasil está mais avançada em termos de automação”, exemplificou, apontando que o investimento em automação industrial – interrompido no país com a instabilidade econômica – é exatamente uma saída estratégica para reverter a situação:

– Quanto mais novo o investimento, mais tecnologia é incorporada. Apesar do cenário atual, tenho uma visão otimista: por maiores que sejam os problemas, as dificuldades que se tenha de entender como as coisas funcionam e o seu impacto, vamos encontrar as melhores soluções possíveis dentro da tecnologia disponível para fazer isso acontecer, como sempre foi.

A chamada Indústria 4.0, ou Quarta Revolução Industrial, engloba tecnologias para automação e troca de dados utilizando conceitos de sistemas ciberfísicos, internet das coisas e computação em nuvem, com aplicações básicas como a universalização do acesso a água tratada, além da maior demanda por alimentos e urbanização:

– Para todas as pessoas do mundo terem acesso a água tratada, é necessária uma grande produção de tubulações, que demandam produtos petroquímicos. Com a internet das coisas e equipamentos interligados, eles vão se conectar e trocar informação, processá-las e realizar tarefas. Isso tudo provavelmente sem a intervenção humana. A velocidade das mudanças vai ser modificada pela capacidade de retenção e análise de dados para transformar em informação e conhecimento.

Mais Recentes
Sustentabilidade é novo paradigma de desenvolvimento
Em palestra na PUC-Rio, pesquisadores do IBGE e professores do Centro de Ciências Sociais discutem a importância da leitura de indicadores sociais, e as lacunas nos dados
Fevuc: remodelação da aparência
Convidados refletem sobre as mudanças que cada indivíduo passa para se integrar às regras impostas pela sociedade
Pilotis recebem doações para as milhares de vítimas do furacão no Haiti
Reitor conclama Comunidade PUC para aderir à campanha. Feijão, arroz e leite em pó são prioridade. Arca da Solidariedade está nos Pilotis do Kennedy.