Expansão desordenada onera o Rio, alerta especialista
24/08/2017 11:51
Dóris Duque

Diretor da Câmara Metropolitana esclarece como o Plano de Desenvolvimento Integrado pode melhorar a vida urbana.

Atolado numa crise financeira histórica, o Rio ainda confronta-se com problemas crônicos derivados da expansão territorial desordenada. Para o arquiteto Vicente de Paula Loureiro, diretor-executivo da Câmera Metropolitana, o desequilíbrio urbano torna mais difícil e cara a oferta de serviços essenciais, como saneamento, transporte público, saúde. O diagnóstico do especialista, emitido em debate organizado, semana passada, pelo Departamento de Arquitetura e Urbanismo (DAU) da PUC-Rio, vem acompanhado, no entanto, de uma esperança iniciada em 2015: o Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano Integrado da Região Metropolitana do Rio de Janeiro (PDUI-RJ). Apresentado a professores e estudantes na Universidade, o planejamento integrado precisa ainda aparar arestas políticas para consumar-se um efetivo vetor de avanços na vida urbana.

A convite da professora Maria Fernanda Lemos, diretora do DAU, Loureiro debateu o plano, também chamado de Modelar a Metrópole, e apontou alguns obstáculos à urbanização desejada. Ele lamentou, por exemplo, a falta de "uma legislação comparável à que os colegas ambientalistas conseguiram emplacar”, para evitar a ocupação irregular ou mesmo criminosa de espaço os quais "o braço do Estado não alcança":

– Por exemplo, em territórios dominados por milícias torna-se muito difícil cortar a luz em caso de inadimplência. Então essas contas inadimplentes são varridas para debaixo do tapete e diluídas no preço que pagamos.

Mapa da evolução da mancha urbana sendo o vermelho o mais recente. Imagem: modelarametropole

Criado para corrigir distorções como esta, o Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano tem a missão de integrar a metrópole para democartizar o acesso a serviços básicos, especialmente em regiões periféricas. A iniciattiva decorre da criação, em agosto de 2014, da Câmara Metropolitana de Integração Governamental. Lançado um ano depois, com financiamento do Banco Mundial, o PDUI é executado por um consórcio formado pelas empresas Quanta Consultoria e Jaime Lerner Arquitetos Associados. A ideia é elaborar cenários, estratégias e instrumentos para fundamentar o aprimoramento de prestações públicas de caráter supramunicipal.

Vicente de Paula Loureiro Foto: Matheus Aguiar

Loureiro observa que a responsabilidade pela região é compartilhada por estado e município. Este modelo, pondera, não raramente dificulta a aplicação de políticas e ações públicas. “Dividir poder é uma coisa complicada”, justifica o arquiteto.

Estremida entre a Serra do Mar e o Atlântico, a area metropolitana do Rio viveu uma expansão territorial de forma espraiada. O movimento acompanha os eixos rodoviários áreas rurais adentro, para Leste e Oeste, esticando o que os técnicos chamam de mancha urbana. Organizá-la para melhrar a vida na metrópole é um dos objetivos das pesquisas e levantamentos conduzidos pelo Plano de Desenvolvimento, disponíveis na página eletrônica do PDIU.

Mapa do tempo médio gasto no transporte público. Imagem: modelarametropole

Os estudos envolvem desde o detalhamento da mancha urbana até tempo médio no transporte público. Um deles, exemplifica Loureiro, projeta que, mesmo se o metrô se estender a toda a área metropolitana, ainda assim o tempo médio do trajeto casa-trabalho ultrapassaria uma hora – embora, segundo o arquiteto, não devesse exceder 40 minutos.

O diretor-executivo da Câmara Metropolitana do Rio também evoca uma espécie de lema para o avanço do PDUI: “Devemos mudar para melhorar e não melhorar para mudar”. Esta diretriz, afirma ele, constitui uma espécie de resposta, ou vacina, a "uma fixação em melhorar o que já existe para tentar mudar os resultados obtidos". Loureiro argumenta:

– Devemos focar em mudar o que existe para melhorar os resultados. Não há como conseguir resultados diferentes se continuarmos fazendo a mesma coisa.

Mais Recentes
Sustentabilidade é novo paradigma de desenvolvimento
Em palestra na PUC-Rio, pesquisadores do IBGE e professores do Centro de Ciências Sociais discutem a importância da leitura de indicadores sociais, e as lacunas nos dados
Fevuc: remodelação da aparência
Convidados refletem sobre as mudanças que cada indivíduo passa para se integrar às regras impostas pela sociedade
Pilotis recebem doações para as milhares de vítimas do furacão no Haiti
Reitor conclama Comunidade PUC para aderir à campanha. Feijão, arroz e leite em pó são prioridade. Arca da Solidariedade está nos Pilotis do Kennedy.