Movimento na melhor idade
23/02/2018 11:38
Lethicia Amâncio

Prática de exercícios físicos promove qualidade de vida e independência para idosos

O número de idosos no Brasil chegou aos 26 milhões em 2017. Foto: iiLer

A população de idosos no país está crescendo. Segundo pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de pessoas acima dos 60 anos aumentou 50% nos últimos 10 anos, e, de acordo com cálculos do órgão, esse número vai dobrar em 2027. Para dar melhor qualidade de vida para essas pessoas, especialistas afirmam a necessidade de que cuidados com a saúde sejam tomados, incluindo atividades físicas.

Para o professor da Coordenação de Educação Física Paulo Júnior, a prática esportiva é de suma importância em toda faixa etária, mas para o público acima dos 60 anos, o objetivo da atividade é atenuar perdas resultantes do envelhecimento. Segundo ele, flexibilidade e força também são benefícios promovidos pelo exercício físico, pois são fundamentais para que seja evitada a perda de equilíbrio e, consequentemente, as quedas, que são uma das principais causas de morte entre os idosos.

– Temos que atenuar essas perdas para que os idosos tenham melhora na capacidade de realizar as atividades deles do dia a dia, como subir uma escada, se alimentar sozinho, tomar banho sozinho, ter autonomia e não depender de ninguém para fazer nada.

A Coordenação de Educação Física oferece atividades para alunos e funcionários da PUC. Foto: Isabella Lacerda

A PUC realizou em outubro do ano passado, quando foi comemorado o mês do idoso, o Movimento Longevidade. O projeto tem como objetivo a busca pelo envelhecimento com qualidade por meio de atividades acadêmicas e culturais e com o envolvimento de pessoas com mais de 60 anos. O encontro reuniu cerca de 70 idosos e organizou oficinas, promovidas pelo Instituto Interdisciplinar de Leitura (iiLer), o Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente (NIMA), a Coordenação de Educação Física e os Departamentos de Psicologia e Engenharia Mecânica. A ideia é que ocorram duas edições do Movimento Longevidade em 2018 para que mais pessoas sejam alcançadas.

O professor Paulo Júnior, que participou da Oficina de Atividades Físicas no Movimento Longevidade, afirma que essas práticas também ajudam no aumento da imunidade e a evitar doenças como osteoporose e síndrome metabólica, que pode resultar em diabetes. Um outro fator é a parte social que os exercícios físicos em grupo propiciam, já que os idosos, principalmente quando param de trabalhar, comenta Júnior, ficam deprimidos por se acharem inúteis, o que pode levar a um isolamento.

– A prática da atividade física é essencial para a gente viver, se não um dia a gente vai pagar a conta. Quanto mais atividade física, menos remédio.

O Movimento Longevidade ocorreu em outubro e atendeu cerca de 70 idosos. Foto: iiLer

Funcionário do Departamento de Informática, Ademar Passos tem 68 anos e é aluno da Coordenação de Educação Física da PUC-Rio. Formado em Direito na PUC, ele faz musculação e circuitos, além de cantar no coral do condomínio onde mora, na Barra da Tijuca. Passos acredita que a prática de exercícios é fundamental para se obter um envelhecimento com qualidade e independência.

– A atividade física faz você ter uma vida boa, é bom para o cara que está ficando mais velho se movimentar porque as dificuldades vão aumentando, é o natural da vida. Só que esse envelhecimento pelo menos é mais moderado, sem dor, é triste você ficar velho e depender de alguém.

Ademar Passos, funcionário da Universidade, é um dos alunos da Coordenação de Educação Física. Foto: Isabella Lacerda

A Coordenação de Educação Física oferece um total de 11 atividades, dentre elas yoga, musculação, ginástica e natação. Não há restrições para a participação de idosos, porém eles passam por uma análise dos profissionais da Coordenação antes de começar qualquer uma das modalidades.

Júnior diz que, segundo os próprios alunos, o principal motivo para não se fazer atividade física é conseguir encaixar a atividade no dia a dia. Por essa razão, as práticas dentro da PUC otimizam o tempo, tanto para alunos quanto para funcionários, porque eles já estão na Universidade. As expectativas para este ano é aumentar a divulgação das atividades dentro da Universidade, já que muitos não conhecem as aulas oferecidas pela Coordenação.

Mais Recentes
Um homem a serviço da fé
Simpósio lembra os 50 anos da publicação original de livro de Joseph Ratzinger
Troca de conhecimento entre docentes
Professores da PUC-Rio representam a Universidade em encontro do Students 4 Change em Porto Alegre
Reitor da PUC-Rio participa de Assembleia Mundial de Instituições Jesuítas de Ensino Superior na Espanha
Temas como justiça ambiental e econômica, educação para os mais desfavorecidos e paz e reconciliação fazem parte das discussões do encontro