Em defesa de um ensino superior de qualidade
05/10/2018 16:18
Ana Vitoria Barros e Julia Carvalho

Vice-Reitor de Desenvolvimento, Sérgio Bruni, toma posse como conselheiro na Câmara de Educação Superior

O Vice-Reitor de Desenvolvimento, Sérgio Bruni, é um dos três professores nomeados pelo presidente Michel Temer. Foto: Thaiane Vieira

O Vice-Reitor de Desenvolvimento da PUC-Rio, Sérgio Bruni, foi um dos três professores nomeados pelo Presidente da República, Michel Temer, entre 47 profissionais indicados, para integrar a Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação. O professor Sérgio Bruni e os outros conselheiros vão tomar posse na segunda-feira, 8, em Brasília. Atualmente, os integrantes da Câmara cumprem um mandato de quatro anos.

Cabe à Câmara examinar os problemas das universidades e sugerir soluções. E a principal função do Conselho Nacional de Educação é aprimorar a qualidade do ensino universitário no Brasil. A função deste órgão é trabalhar diretamente com o ministro da Educação para avaliar e formular as políticas nacionais de aprendizagem.

Três representantes da PUC-Rio já ocuparam o cargo de Conselheiro da Câmara, o ex Vice-Reitor Acadêmico padre Antonio do Amaral Rosa, S.J., de 1986 a 1992; o ex Reitor padre Laércio Dias de Moura, S.J., de 1992 a 1994; e a professora Hermengarda Alves Lüdke, do Departamento de Educação, de 1996 a 1997. Bruni diz que ficou honrado em ser um dos 11 conselheiros e afirma que pretende levar para o órgão a vivência em uma instituição comunitária

– Acho importante contribuir com as nossas experiências como, por exemplo, a questão de concessão de bolsas de estudo, o investimento grande que se faz na área de pesquisa científica e a questão de qualificação profissional. Ser escolhido para o cargo foi uma grande satisfação, já que 47 nomes foram indicados ao Presidente da República.

O Vice-Reitor considera que discutir o reconhecimento de cursos e habilitações oferecidas pelas instituições deve ser o principal trabalho realizado pela Câmara de Educação Superior. Ele ainda espera que os integrantes do grupo façam uma análise sobre como é fundamental investir na formação dos professores do Ensino Superior. Bruni julga que é necessário aperfeiçoar cada vez mais as licenciaturas.

– É preciso que seja feito um grande esforço nacional de formação de professores.  A primeira base é investir na licenciatura, é importante ter licenciaturas de qualidade nas instituições. E uma segunda ação é aprimorar o ensino de primeiro e segundo graus para que os alunos cheguem às universidades com uma boa base. Com alunos mais bem preparados, o ensino superior vai melhorar.

O novo integrante do Câmara do Ensino Superior acha que, hoje, um dos grandes desafios para as instituições de ensino é integrar a tecnologia à grade curricular dos cursos. Mas, alerta o professor, é imprescindível que este processo seja realizado com moderação e adequado à realidade do nosso país. O Vice-Reitor assinala que usar experiências já desenvolvidas no exterior podem ajudar na elaboração de projetos para os estabelecimentos brasileiros.

– Mais uma vez, acho que o professor é o elemento fundamental desse processo. Não adianta atropelar, é necessário prudência. As instituições podem começar devagar, como por exemplo, oferecer algumas disciplinas a distância. E também temos que levar em consideração que a linguagem coloquial e a linguagem eletrônica, ou digital, apresentam diferenças. Elas não podem ser excludentes, deve haver um equilíbrio entre elas. São pequenos gestos para chegar a grandes soluções.

 

Mais Recentes
Integração dos saberes marca primeiro dia de Seminário
Ao longo da semana, Universidades Jesuítas de 14 países da América Latina celebram os cinco anos da Laudato Si’
Janelas de excelência
PUC-Rio e sete universidades católicas criam parceria para ensino, pesquisa e internacionalização
Desafios da ajuda humanitária
Agentes da ACNUR relatam o trabalho com refugiados em Roraima