Sistemas agroflorestais como estratégia de restauração ecológica
19/04/2017 14:33
Dóris Duque

Especialista em restauração ecológica e presidente nacional do Icraf, Centro Internacional de Pesquisa Agroflorestal, Andrew Miccolis apresentou na PUC-Rio modelo que concilia conservação ambiental e produção agrária no Brasil.

Andrew Miccolis foto: Dóris Duque

Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas e criação de animais, o sistema agroflorestal vem se firmando como um bom modelo de agricultura sustentável e aplicado em agriculturas familiares. Comparado à agricultura convencional, tem entre as vantagens a fácil recuperação da fertilidade dos solos, o controle de pragas, e a melhoria da qualidade de vida da família agricultora. Na maioria das vezes, a madeira e os frutos das árvores também servem como fonte de renda.

Em Tomé-Açu, no norte do Pará, os sistemas agroflorestais são usados há mais de 35 anos, inicialmente implantados na colônia nipo-brasileira para melhorar a produção de pimenta-do-reino, cultivada lá desde 1929. Ao longo do tempo, outras culturas foram adicionadas à da pimenta – como cacau, cupuaçu, açaí, acerola, melão –, e passaram a ser reconhecidas como mercadorias valiosas e incorporadas à economia local. O caso do Sistema Agroflorestal de Tomé-Açu (Safta), que impediu o desgaste da área de plantio e controlou a proliferação de pragas que atacavam as pimentas-do-reino, é um dos apresentados no livro Restauração ecológica com sistemas agroflorestais: como conciliar conservação com produção, recém-lançado por Andrew Miccolis, que atua há 20 anos em projetos agroflorestais.

Presidente nacional do Centro Internacional de Pesquisa Agroflorestal (Icraf), instituto internacional especializado em manejo sustentável, proteção e regulação de florestas tropicais e reservas naturais, fundado em 1978, sediado em Nairóbi, Quênia, Miccolis apresentou os benefícios dos sistemas agroflorestais em palestra promovida pelo Centro de Ciências da Conservação e Sustentabilidade do Rio (CSRio), no Auditório RDC da PUC, na sexta-feira 7 de abril.

As propostas estudadas e defendidas no livro são a recuperação de áreas degradadas por meio de estratégias que unem a conservação com benefícios sociais e a possível aplicação do método em larga escala no país. Miccolis explica que a restauração ambiental tem o objetivo de fazer a manutenção das estruturas e funções do ecossistema original na área degradada, funções como a biodiversidade, fertilidade do solo e infiltração de água:

– É possível cumprir com os objetivos da restauração e ao mesmo tempo ter o retorno econômico e incluir o ser humano no processo e quando feito da forma adequada é possível até acelerar os processos de recuperação ecológica quando o homem está incluído – afirma Miccolis, também especialista em agroecologia e gestão participativa de recursos naturais.

Um dos pontos ressaltados pelo pesquisador é o benefício social desse tipo de agricultura, que considera o bem-estar, a autoestima e a organização. O agricultor, por exemplo, trabalha na sombra: “São detalhes, mas quem trabalha no sol sabe como é melhor a sombra. Faz uma grande diferença para quem vive da terra”.

De acordo com a lei 12.651/2012 do código florestal o manejo agroflorestal só pode ser realizado em Áreas de Proteção Permanente (APPs) e Reservas Legais (RLs) desde que “não descaracterize a cobertura vegetal nativa existente, nem prejudique a função ambiental da área”. No entanto, Miccolis observa que a legislação é ambígua, o que acaba prejudicando a disseminação e a aplicação mais ampla do processo.

Para Miccolis, que também coordena o Instituto Salvia de Soluções Socioambientais (ISSA), é necessário focar na capacitação de técnicos e formuladores de políticas, no monitoramento e avaliação de experiências no campo, no esforço coletivo para preencher lacunas de conhecimento científico e prático para finalmente aumentar as escalas e ampliar as parcerias.

– O que queremos a final de contas é que isso seja uma realidade mais ampla. A agrofloresta é um processo muito viável, mas ainda necessita de estudos e tempo para prosperar. O acesso a recursos e a opções tecnológicas adaptáveis a diferentes contextos são os maiores desafios a serem vencidos para instaurar uma produção em larga escala com essa estratégia.

Mais Recentes
Mariana: moradores fazem romaria em área soterrada por desastre da Samarco
Repórter acompanha a peregrinação diária até a soterrada Bento Rodrigues, onde moradores buscam vestígios que os façam seguir em frente
Especialista em direito ambiental alerta para risco de retrocessos na legislação
Convidado para Aula Magna na PUC, advogado e professor Marcelo Abelha avalia impactos de rompimento da barragem de Fundão no ecossistema em Minas Gerais e Espírito Santo
"Laudato Si’ é a convergência da ciência, da sociedade e da Igreja
Padre Josafá ressalta aspectos éticos e ambientais da encíclica, em palestras no Centro Loyola e na Semana da Cultura Religiosa