PUC-Rio encaminha parceria para compostagem orgânica
31/05/2017 18:07
Ana Clara Silva

Lixo gerado em restaurantes da universidade tende a ser reaproveitado como adubo nas áreas verdes do campus. 

Restaurantes da PUC-Rio estão a caminho de fechar uma parceria com a Ciclo Orgânico, especializada em compostagem orgânica, para o reaproveitamento de sobras alimentares. Compostagem orgânica é um processo biológico pelo qual minhocas ou microrganismos transformam matéria orgânica, como restos de comida e papel, em adubo. O método foi detalhado por especialistas daquele empresa a alunos e funcionários da Rio, em oficina da XXIII Semana do Meio Ambiente. Eles também ensinaram alunos e funcionário a fazer o próprio minhocário.

A iminente parceria prevê que o adubo produzido a partir dos restos de comida dos restaurantes no campus seja aplicado nas áreas verdes da Universidade e em projetos da White Martins, a outra empresa envolvida no acordo. Como a Ciclo Orgânico realiza o processo em grande escala, eles usam microrganismos para agilizar. O fundador da organização, Lucas Chiabi, confia na integração ecológica.

– Ainda estamos conversando, mas acho que vai dar certo. A ideia é recolher os restos deixados nos restaurantes e no bandejão para fazer a compostagem. O adubo gerado vai para as áreas verdes da PUC.

Para a compostagem orgânica caseira é recomendado o uso de minhocas. Fáceis de se conseguir, conseguem processar, com relativa rapidez, os restos alimentares produzidos diariamente por uma família. Fãs de borra de café e banana, minhocas exigem, contudo, alguns cuidados especiais. Como não vivem em temperaturas acima de 28°C o minhocário precisa ficar em lugares com pouca ou nenhuma incidência solar – o que em cidades litorâneas, como o Rio, não é propriamente uma tarefa fácil. Recomenda-se, nestes casos, colocar um vaso de plantas em cima do lugar onde as minhocas ficam, para a sombra amenizar o calor.

Como fazer o próprio minhocário

Itens necessários:

– Três caixas cujo tamanho varia de acordo com o número de integrantes da família. Por exemplo, casa com uma ou duas pessoas: altura: 43cm; largura: 35cm; comprimento: 43cm.

– Serragem e/ou folhas secas.

– Aproximadamente 120 minhocas.  

– Restos de alimento.

– Furadeira.

Modo de preparo:

Faça alguns furos em duas das caixas modulares, para possibilitar a passagem de ar. Depois, empilhe as caixas e coloque a terra com as minhocas na de cima, na altura de mais ou menos dois dedos, e faça o mesmo com a caixa do meio. Em seguida, coloque o lixo orgânico, folhas secas e papéis picados na caixa superior. Quando a primeira caixa ficar cheia, troque-a pela do meio. Os furos vão deixar as minhocas passarem de uma caixa para a outra. Quando despejar novos resíduos na caixa que agora está por cima, elas voltarão a trabalhar. Quando essa outra caixa ficar cheia, a do meio terá adubo e a última caixa acumulará um líquido que deve ser retirado e usado para regar plantas.

Mais Recentes
Caminhos do lixo eletroeletrônico no Rio até o correto descarte
Cidade tem apenas um posto de coleta. Geógrafo formado na PUC-Rio fundou empresa que recolhe equipamento em casa.
Especialistas e bispos debatem ética socioambiental no Rio
No II Congresso Internacional Laudato Si & Grandes Cidades, Reitor defende o direito à água. Diretora da OMS sugere investimentos em energia limpa. 
Especialistas apostam em caminhos alternativos para os resíduos sólidos
Na Semana de Engenharia, especialistas recomendam embalagens biodegradáveis e reciclagem para reduzir os impactos ambientais. Mais de 80% do material que chega aos aterros poderiam ter outro destico, revela estudo internacional. Separação de materiais faz a diferença.