Perigo para os polegares
26/02/2018 17:33
Karen Krieger

O uso excessivo de smartphones pode gerar danos aos músculos e nervos das mãos

O celular pode ser prático no cotidiano, mas pode gerar problemas de saúde. Foto: Isabella Lacerda


O celular é uma ferramenta essencial para a rotina moderna. E-mails, planejamentos, mensagens e contatos estão todos agrupados nessa portátil máquina. Mas, apesar de oferecer facilidades ao nosso dia a dia, esses aparelhos também podem ter efeitos negativos, inclusive para a nossa saúde. Esse é o caso do chamado smartphone thumb ou textingtendinitis - tendinite no tendão do polegar por causa do uso excessivo do aparelho. Assim, a popularidade dos smartphones pode intensificar um crescimento global desse problema.

A Lesão por Esforço Repetitivo (L.E.R.) é uma contusão nos músculos e nervos. Comum em professores e profissionais que repetem o mesmo movimento por longos períodos diariamente, ela existe desde a época das máquinas de escrever. O gesto repetitivo da datilografia e depois o movimento ainda mais rápido da digitação em teclados de computador criaram uma verdadeira população que sofre desse problema.

O engenheiro de Computação Rodrigo Espinha, que trabalha no Instituto Tecgraf, foi diagnosticado com L.E.R pela primeira vez há dez anos. Com o computador como ferramenta de trabalho, Espinha passa parte do dia digitando. Segundo ele, o uso excessivo do teclado foi o que ocasionou o problema, e o tratamento apontado pelo ortopedista incluiu anti-inflamatórios, uma drenagem dos cistos que apareceram nos dois punhos e sessões de fisioterapia.

- Comecei a sentir dor nos punhos e fui ao ortopedista. Ele disse que eu tinha cistos sinoviais nos dois punhos. Tive que fazer fisioterapia por um tempo para reforçar a musculatura da mão. Com o tempo, consegui melhorar a musculatura, o cisto continua, mas não dói.

O engenheiro de Computação Rodrigo Espinha fala sobre os cistos que teve nos punhos. Foto: Matheus Aguiar

Hoje, os smartphones podem ser considerados uma tecnologia popular. O consumo de celulares tem crescido a cada ano, uma vez que esses telefones são portáteis e mais baratos que um computador. A inclusão digital traz, porém, um aumento de problemas de saúde derivados do uso excessivo desses aparelhos. Segundo o fisioterapeuta Daniel Zidde, lesões nos tendões das mãos, problemas de visão, postura ruim e déficit de atenção são alguns dos danos causados pelo abuso dos movimentos repetitivos.

- A tendinite do computador surge com a utilização de movimentos muito curtos, diferentes da máquina de escrever. Já com o smartphone, os movimentos são mais curtos ainda, pois utiliza-se principalmente os polegares. O excesso pode levar a uma tendinite com mais facilidade. Outros problemas também podem surgir: a tela pode levar a problemas de visão, a postura também fica mais curta e fechada, e crianças podem ter problemas de aprendizado.

Ilustração de Diogo Maduell sobre foto de Isabella Lacerda

As partes mais afetadas são os tendões dos polegares e o principal nervo das mãos - nervo mediano carpo. O fisioterapeuta explica que a tendinite nos polegares, se não for tratada, pode se tornar uma inflamação mais séria. Zidde afirma que, sem o tratamento adequado, a lesão pode virar uma fratura muscular e gerar problemas articulares, como o início da degeneração muscular, como artrose.

Não são raros os casos de jovens com smartphone thumb. A estudante de Jornalismo Anna Sashide sofreu uma lesão no ano passado e acredita que o excesso de celular é uma das causas. Ela foi diagnosticada com tendinite no punho direito e teve que imobilizá-lo com o uso de uma munhequeira. A aluna aplica gelo na área e faz alongamentos frequentes, pois ainda sente sinais da lesão.

- Eu basicamente acordo e estou com o celular na mão, vou dormir estou com o celular na mão. Depois de usar a munhequeira, eu não consigo digitar por muito tempo, porque começo a sentir dor. Tento usar o indicador ou não usar o celular. Reparei que devia ser culpa do celular quando vi um programa de TV sobre isso. Comecei a perceber que quanto mais eu usava o celular, a dor ficava mais forte. E nos dias que não pegava o celular, praticamente não sentia dor.

Esses problemas não vão obrigatoriamente afetar a todos. Zidde enfatiza que não existe um tempo definido, depende da resistência de cada indivíduo. Segundo o fisioterapeuta, o problema deve ser detectado no momento que começa a incomodar, para a dor não se tornar crônica. Há também formas de prevenção, ele informa, como o não uso excessivo dos aparelhos, fazer alongamentos e movimentos de relaxamento das mãos e dos braços, mesmo princípio da ginástica laboral.

A prática excessiva de teclar pode causar problemas musculares. Foto: Matheus Aguiar

Esse tipo de exercício tem se tornado comum dentro das empresas, como suporte para a saúde dos funcionários. A professora de Educação Física Jocineia Santos, conhecida como Jô, instrui funcionários da PUC-Rio na ginástica laboral. Ela esclarece que o objetivo dessas atividades é melhorar o desempenho no trabalho sem prejuízo físico.

- Quem trabalha com computadores e fica digitando o tempo todo, precisa saber a posição correta dos braços, ombros, pescoço. É a preocupação de trabalhar e não prejudicar o funcionário e a empresa.

Mais Recentes
Mentes Ansiosas e Vida Acadêmica
Psicólogas da Rede de Apoio ao Estudante (RAE) explicam como a ansiedade pode interferir nos estudos e na vida cotidiana
Quando a falta de informação cobra um preço
Pioneiro no tratamento contra o HIV, Brasil registra aumento de casos de infecção nos últimos 11 anos
Os benefícios da ergonomia no ambiente de trabalho
No Brasil, cerca de 3.5 milhões de trabalhadores sofrem com Lesões por Esforço Repetitivo (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT)